theodor w. adorno e elisabeth lenk, uma correspondência

Bruna Della Torre

“Em maio, era sous les pavés, la plage, e hoje, sous l’asphalte, les pavés.”
Elisabeth Lenk, carta a Theodor W. Adorno em 26 de julho de 1968

A correspondência é uma forma literária prescrita e, com ela, desapareceu não só o tipo de subjetividade que lhe era correlata, mas uma forma de comunicação que faz imensa falta num mundo dominado pelo aparente imediatismo das redes sociais. Quem já tentou escrever uma carta nos dias de hoje, seja para uma amiga, uma amante, uma colega de profissão, com certeza pôde perceber a estranheza envolvida nesta atividade, à primeira vista, tão simples. Sua forma envolve um equilíbrio sempre frágil entre proximidade e distância, intimidade e reserva. E a reflexão exigida por ela tem efeitos paralisantes em quem se acostuma com o caráter automático e enxuto das mensagens contemporâneas. Nada mais destoante das regras de etiqueta correntes nas redes do que mandar longas mensagens, áudios, e-mails. Ligações, nem pensar, só em caso de emergência. Tomar o tempo do outro é uma espécie de pânico que acompanha nossas relações e motivo suficiente para tornar uma pessoa indesejável. Por isso, a comunicação corre o risco de ser aniquilada pela sociedade que a revolucionou. Ler uma correspondência é, portanto, quase uma experiência arqueológica, na medida em que ela nos transporta para um mundo cuja noção de temporalidade se torna cada vez mais distante de nossa realidade.

Quando Adorno se correspondeu com Elisabeth Lenk, sua orientanda de doutorado, essa forma já estava em vias de extinção. Seu crepúsculo coincidia com aquele que viveria a primeira geração da teoria crítica na Alemanha e com a derrota das esperanças de maio de 1968. Nesse sentido, é possível ler a sua correspondência, como propôs Benjamin em Gente Alemã, procurando nela o espírito de uma época, seus conflitos e contradições, mas também a sua história subterrânea. A correspondência ficou conhecida por conter duas cartas de amor que Adorno escreveu a Lenk que revelam tanto sua tentativa de extrapolar o papel de orientador, quanto uma cansativa síndrome de Don Juan; mas ela não se reduz a isso. A troca de cartas entre ambos expõe um lado menos conhecido de Adorno, aquele do professor e correspondente, mas pode ser lida igualmente como um diálogo entre personagens sociais, mais que individuais, que representam o tempo no qual viveram e a geração da qual fizeram parte. A correspondência se passa na década de 1960, entre a Alemanha e a França.

Nesse período, Adorno viveu uma série de conflitos com o movimento estudantil alemão, especialmente com a SDS [Sozialistische Deutsche Studentenbund]. Entre os episódios mais marcantes estão o chamado “atentado dos seios”– uma interrupção da aula de Adorno por mulheres com os seios desnudos que dançaram à sua volta – e a invasão do Instituto de Pesquisa Social que culminou com a lamentável recorrência de Adorno à polícia para que os estudantes desocupassem o prédio. Esses conflitos marcaram a recepção da obra adorniana e contribuíram para a cristalização da imagem do “filósofo da torre de marfim”. Sua atitude reforçou o estereótipo elitista, excludente e misógino de sua teoria. Se há alguma verdade nesse estereótipo, ele deixou de fora um aspecto importante da atuação de Adorno naquele período: a do intelectual que foi uma das inspirações de maio de 68. Essa correspondência também mostra uma outra relação com o movimento estudantil, do qual Lenk fizera parte e ajuda a tornar mais conhecida uma autora que não é, em geral, considerada parte da segunda geração da teoria crítica.

Elisabeth Lenk nasceu em 1937 e hoje é professora emérita de literatura na Universidade de Hannover. Foi membra da SDS no início da década de 1960, militou contra a guerra da Argélia e engajou-se no maio de 1968 francês. Além de ter sido orientada por Adorno, em Frankfurt, Lenk trabalhou durante seu doutorado com Lucien Goldmann em Paris e, posteriormente, foi assistente de Peter Szondi. É autora de diversos artigos e livros, como, por exemplo, Der springende Narziss. André Bretons poetischer Materialismus [Narciso saltante: o materialismo poético de André Breton](1971), Die unbewusste Gesellschaft: über die mimetische Grundstruktur in der Literatur und im Traum [A sociedade inconsciente: sobre a estrutura mimética na literatura e no sonho](1983), Kritische Phantasie [Fantasia crítica](1986), entre outros.

De acordo com sua introdução à correspondência, Lenk procurou tanto a SDS quanto Adorno devido a uma insatisfação com o ambiente político na Alemanha do pós-guerra. O maio de 1968 alemão tem um traço específico se comparado a de outros países. A República Federal Alemã fora construída a partir de um consenso forçado, que buscava silenciar as contradições legadas pela guerra. O país não sofrera uma “desnazificação” completa. Para se ter uma ideia dos conflitos que se desenhavam naquele ambiente, Lenk comenta em sua introdução uma exposição organizada por Reinhard Strecker em 1962, que publicou documentos de mais de cem juízes de passado nazista em exercício na RFA. Uma manifestação de apoio a essa exposição custou à SDS sua expulsão do SPD [Partido Democrata Alemão], do qual até então era parte. A partir de então a SDS se tornaria um movimento independente. Esse episódio demonstra como as revoltas de maio por lá foram também uma luta contra o nazismo encrustado numa sociedade que se apresentava como democrática. Se, como disse Adorno em sua palestra de 1967, Aspectos do novo radicalismo de direita, o fascismo é sempre uma “ferida” da democracia, na Alemanha da década de 1960 essa ferida ainda sangrava e a recusa até mesmo dos setores progressistas em enfrentar esse passado levou a uma radicalização cada vez maior do movimento estudantil.

Lenk era militante da SDS. Em seu congresso de refundação após a expulsão do SPD, foi uma das principais palestrantes e defendeu um movimento que fosse próximo da teoria crítica. Foi considerada, por isso, uma representante da “linha Adorno” no congresso. O movimento ganhava traços anti-intelectualistas e, segundo ela, dificultava a participação de mulheres. Atualmente, a historiografia a respeito da década de 1960 no mundo inteiro mostra como maio de 1968 foi ao mesmo tempo um momento no qual a luta da classe trabalhadora floresceu junto às lutas antirracistas, feministas e LGBTQI+ e um momento no qual essa aliança vislumbrada não se sustentou, obrigando muitas mulheres a se organizar separadamente nos movimentos feministas e a enfrentar a chamada “dupla militância”. De uma forma ou de outra, muitos dos conflitos que vivemos hoje parecem remeter a esse momento: “identitarismo” ou luta de classes? Crítica estética ou crítica social? Teoria crítica ou práxis das barricadas? Essas oposições continuam a orientar nossos debates e separar as nossas gerações.

O projeto inicial de doutorado de Lenk era sobre Émile Durkheim e a Escola Francesa, mas seu engajamento contra a guerra na Argélia levou-a a Paris, onde conheceu André Breton e passou a fazer parte do círculo surrealista. A correspondência começa com essa mudança e um dos primeiros tópicos da troca de cartas com Adorno é a modificação do tema da tese, do “pastor alemão” da sociologia – conforme afirmou certa vez Gabriel Cohn – para o surrealismo. Adorno entusiasmou-se com a alteração, mas sublinhou que era preciso dar um jeito de encaixá-la na “sociologia” para que Lenk pudesse continuar no programa de pós-graduação. Quem era orientado por Adorno naquele período encontrava algumas dificuldades de inserção acadêmica, uma vez que a transdisciplinaridade de sua obra e do Instituto não era bem-vista pela academia alemã. Há uma série de cartas a respeito de questões burocráticas, de bolsas de estudo, estágios de docência etc. que revelam um ambiente profundamente marcado pelo “personalismo” e uma ampla atuação administrativa de Adorno, bem como uma grande disposição de auxiliar e aconselhar as e os estudantes. Mas o papel de Adorno não se reduz a uma orientação burocrática, o que para o ambiente intelectual atual já é muita coisa. Além de ler os trabalhos de Lenk, Adorno enviava a ela os seus. Podemos entrever uma relação intelectual de troca e camaradagem que está presente, aliás, em outros momentos da extensa correspondência de Adorno.

Um dos tópicos mais interessantes da correspondência é o surrealismo, que já havia sido assunto de debate entre Adorno e Benjamin na década de 1930. Este último havia conhecido o movimento em Paris e, para desespero de Adorno, sido fortemente influenciado por ele. Seu projeto sobre as Passagens incorporou elementos surrealistas como, por exemplo, as experiências de escrita sob o efeito do haxixe e da embriaguez, os procedimentos de montagem e colagem, o objet trouvé, o inconsciente e o sonho, o ódio à mediocridade da vida burguesa, entre outros. Em “O surrealismo. O último instantâneo da inteligência europeia”, escrito em 1929, momento de sua “virada marxista”, Benjamin chama a atenção para o “niilismo revolucionário” presente em Nadja de Breton e em Passage de l’opéra, de Aragon. Segundo ele, a Europa não possuía um conceito tão radical de liberdade desde Bakunin.

Adorno via o surrealismo com desconfiança. Na sua correspondência com Benjamin, ele apresenta algumas críticas ao movimento que depois seriam reunidas no pequeno ensaio “Revendo o surrealismo”, publicado em 1956. De acordo com a sua leitura, a hipóstase do inconsciente (implicada, por exemplo, na proposta de “escrita automática”) pressuporia uma espontaneidade que a psicanálise demonstra que não pode ser atingida de forma “automática”, mas apenas com uma longa e trabalhosa elaboração. Isso valeria igualmente para a aproximação da lógica surrealista àquela do sonho. O problema era a falta de mediação entre consciente e inconsciente, racionalidade e irracionalidade tanto nas obras quanto na concepção que o surrealismo tinha de suas práticas. Mas o juízo de Adorno sobre o surrealismo não era exclusivamente pejorativo. Ele via as montagens surrealistas de maneira mais ambígua. Segundo ele, ao criarem “naturezas mortas”, elas exporiam o enrijecimento da libido e recuperariam o caráter fragmentário do desejo como, por exemplo, podemos ver nas obras que combinam, pela colagem, pernas de manequins em meias de seda, bocas, olhos etc. Segundo Rita Bischof, que assina a introdução à tradução da correspondência entre Adorno e Lenk para o inglês, esse ensaio pode ser lido como um obituário precoce. Adorno decretou, segundo ela, a morte de um movimento que não teria ainda vindo a termo e sua avaliação do surrealismo não passava por nenhuma obra específica – contrariando a sua própria regra de crítica imanente.

Lenk retomou o projeto benjaminiano de introdução do surrealismo na Alemanha. Para ela, o surrealismo consistiu numa tentativa, por parte de uma arte que era autônoma, mas impotente, de reganhar as energias que dela haviam se separado. Breton produziria, nessa chave, não uma poesia à beira do irracionalismo, como queria Adorno, mas um “materialismo poético”, definido por reconhecer que o próprio corpo das palavras produziria seu primeiro sentido. Fredric Jameson desenvolveu posteriormente uma ideia similar, talvez ainda mais radical, em seu ensaio “Mallarmé materialista”. Por outro lado, Lenk via na “percepção surrealista”, na ideia de que os “sentidos pensam”, uma arte plena de vigor revolucionário justamente por seu caráter sensual. Em sua introdução de 1969 ao Le paysan de Paris, de Aragon, Lenk ressalta a radicalidade do romance-montagem de Aragon que ganha força poética porque torna autônomas as imagens que nutrem a sua poesia, transforma o abstrato no que é sensualmente perceptível. Lenk afirma que Aragon mobiliza o naturalismo, por meio de sua descrição de cada objeto presente no Café Certa, por exemplo, como uma forma de dissolver o realismo. Lenk retoma a crítica de Lukács ao naturalismo, segundo a qual este se oporia ao realismo na medida em que nele, o detalhe e a particularidade se autonomizam em relação ao todo. A particularidade, para o realismo, conforme ressalta Lenk, não pode ser substituída por qualquer outra, mas deve ganhar relevância por meio da perspectiva. Segundo ela, Benjamin, que forneceria a chave de interpretação do surrealismo, seria o grande adversário de Lukács, ao mostrar como a modernidade da alegoria barroca consistiria justamente na autonomização dos detalhes em relação ao todo. Eles deixariam de ser, assim, de acordo com Lenk, forçados a significar alguma coisa e, com isso, liberariam também o seu potencial sensual/sensitivo.

Não é fortuito que o surrealismo tenha sido um movimento tão presente no maio de 1968. A ideia de que mudar o mundo não era só mudar a estrutura de classes, mas era “mudar a vida”, de que a revolução deveria liberar também a sexualidade, de que a arte acadêmica estaria morta e deveria sair dos museus e tomar a vida cotidiana, de que a poesia estaria nas ruas, o elogio da experimentação com as drogas, a proposta de fazer amor ao invés de fazer a guerra, de escavar uma história e uma paisagem escondida nas grandes cidades, a própria forma dos grafites pintados nos muros, tudo isso tinha grandes afinidades com o movimento surrealista, que participou dos levantes de maio e teve uma grande influência na Primavera de Praga. As críticas de Lenk a Lukács retomam uma recusa ampla à defesa do realismo no período (vale lembrar uma das palavras de ordem: “Abaixo o realismo socialista. Viva o surrealismo”) que era também uma forma de protesto contra o enrijecimento da política, da arte e da concepção de vida defendida pelo comunismo oficial. Maio de 1968 apontava para o fato de que uma nova política de esquerda precisa saber incorporar novas exigências e, conforme mostrou a experiência alemã, elaborar o passado.

Em sua introdução à correspondência, Lenk apresenta a teoria crítica não como uma teoria estranha a esse ambiente político de 1968, mas como seu complemento. Nesse sentido, tanto a teoria quanto o surrealismo partilhariam determinados ímpetos. Em primeiro lugar, porque para a Escola de Frankfurt assim como para o surrealismo, a noção de crítica envolve tanto um aspecto político quanto uma dimensão estética. Além disso, ambos seriam um protesto contra o positivismo e a especialização científica. Esse projeto teria sua maior expressão nas revistas do Instituto, a Zeitschrift für Sozialforschung, e nas revistas surrealistas Révolution Socialiste e, porteriormente, em Critique, fundada por Bataille. Essas revistas não só adiantariam temas que surgiriam com toda força em 1968, como buscariam superar a fragmentação do conhecimento produzido pela alienação da divisão social do trabalho científico. Além disso, tanto uma, quanto outro, cada um à sua maneira, incorporariam a experiência como um elemento fundamental do conhecimento crítico do mundo. É quase como se, nesse aspecto, a teoria crítica tivesse sido, ela também, uma espécie de vanguarda no âmbito do pensamento crítico.

Lenk busca mostrar então as alianças entre as utopias de 68, as vanguardas artísticas e a teoria crítica. Esse aspecto fica evidente na brilhante introdução que escreveu ao livro de Fourier, “Teoria dos quatro movimentos”, organizado por Adorno e que foi também tópico na troca de cartas entre ambos. Lá, Lenk retoma a relação da utopia com a ciência, com o fito de defender que não há um antagonismo entre esses elementos. Segundo ela, não considerar a utopia como parte da ciência, como faz a sociologia, seria banir a imaginação do método científico. Ela toma de Fourier uma ideia muito cara também à teoria crítica: a de que a felicidade possui um caráter objetivo que envolve a reconstrução da sociedade tal como ela existe hoje, mas tem também o seu lado subjetivo, que tem a ver não com uma transformação menor ou individual, mas com uma transformação ainda maior das formas sociais que orientam nossos modos de vida. Numa das cartas que Adorno envia a Lenk, ele diz que ouviu de Lukács certa vez que Fourier ainda era uma coisa do futuro e que a nossa sociedade ainda não estaria pronta para o seu pensamento.

Essa relação entre a teoria crítica e as utopias de maio de 1968 é sempre reconhecida no caso de Marcuse, mas pouco ressaltada pela recepção de Adorno. As cartas demonstram as profundas afinidades que Adorno possuía com a geração que lhe sucedeu e a influência dos movimentos dos anos de 1960 em sua obra é visível. No curso de estética que Adorno havia dado em 1958/59, o surrealismo aparece de passagem somente em duas aulas. Na correspondência com Lenk, após uma carta na qual ela defende o surrealismo, Adorno responde que pretendia escrever um ensaio “em defesa dos ismos”, que depois se tornaria uma parte de sua Teoria Estética. Ali, Adorno matiza o seu anti-vanguardismo, para utilizar a expressão de Peter Bürger, e defende que o projeto coletivo implicado nos “ismos” foi tão odiado pelo nazismo e pela sociedade burguesa porque nega o esquema da individuação absoluta ao mesmo tempo em que substitui a autoridade tradicional das antigas escolas. Neles, se evidencia o paradoxo da relação entre arte e as obras de arte, com a sobreposição da primeira sobre as outras. E não é só a influência de Lenk que aparece nesses textos. Em “Transparências do filme”, por exemplo, ensaio no qual Adorno repensa as possibilidades do cinema como arte, a influência de outro aluno seu, Alexander Kluge, também é evidente. Seria interessante ler a Teoria Estética e outros textos escritos nesses anos à luz desses debates, uma vez que estética e política tornam-se cada vez mais intricadas na obra de Adorno no período. Um pouco antes da morte de Adorno, Lenk envia a ele uma série de textos dos situacionistas. Sua simpatia por eles custou a ela a expulsão do círculo surrealista. De qualquer forma, isso evidencia como as reflexões sobre arte de Adorno são informadas por esse contexto.

O grande paradoxo de todo o marxismo, a teoria crítica inclusa, é que ele vive para se tornar prescrito, seja porque foi superado pela transformação social, seja porque o tempo passou e é preciso acertar os ponteiros do relógio. Para não se transformar em tradição, ele precisa ser um pensamento vivo. Muitos dos conflitos da década de 1960 ainda estão presentes nos embates no interior da esquerda nesse momento. Colocar fogo em estátuas é uma forma de tentar elaborar o passado. Um passado colonial, escravista, fascista e naturalizado.  Mudar a gramática é elaborar um passado e um presente no qual o masculino é sinônimo de universal. Quem desqualifica essas propostas ao afirmar que isso é importado não conhece o caráter internacionalista da luta socialista. Por outro lado, uma luta socialista que desqualifique o pensamento, a reflexão, a teoria, joga fora uma das armas mais poderosas que temos à nossa disposição.

Por isso, essa correspondência pode ser lida não só como um documento histórico a partir do qual é possível descobrir uma história subterrânea da década de 1960, mas como um caminho para o presente. Não uma história de rompimento entre gerações, mas de cumplicidade. Lenk como militante que não padeceu do anti-intelectualismo da SDS alemã e Adorno como professor que, em muitas ocasiões, incentivou a participação política dos estudantes e uma teoria crítica sem compromisso com o establishment.

Se a primeira geração Escola de Frankfurt, como outras vertentes marxistas, foi extremamente excludente do ponto de vista de gênero, essa situação estava mudando na década de 1960, como afirmou Angela Davis, uma das discípulas da teoria crítica. Mulheres como Lenk, Regina Becker-Schmidt, também orientanda de Adorno, Helge Pross, assistente de Adorno e Horkheimer no Instituto, a própria Davis, entre outras, contam uma outra história do Instituto que não é aquela dos herdeiros oficiais que se afastaram do marxismo para ceder ao consenso liberal. Uma história marxista, feminista, surrealista.


No mês de setembro, a coletiva marxismo feminista fará um ciclo de debates intitulado “Mulheres e o direito à literatura”. Confira a programação aqui.

Referências bibliográficas
ADORNO, Theodor W. Revendo o surrealismo. In: Notas de literatura I. São Paulo: Duas cidades/Editora 34, 2003.
ADORNO, Theodor W. Ästhetische Theorie. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 2019.
ADORNO, Theodor W. Transparências do filme. In: Sem diretriz. Parva Aesthetica. São Paulo: Editora Unesp, 2021.
BENAMIN, Walter. Gente alemã. Uma série de cartas. Florianópolis: Editora Nave, 2020.
BENJAMIN, Walter . O surrealismo. O último instantâneo da inteligência europeia. In: Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.
GILLESPIE, Susan H. (ed.) The Challenge of Surrealism: The Correspondence of Theodor W. Adorno and Elisabeth Lenk. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2015.
JAMESON, Fredric. Mallarmé Materialist. In: Modernist Papers. London/New York: Verso, 2007.
LENK, Elisabeth. Theodor W. Adorno und Elisabeth Lenk: Briefwechsel, 1962-1969. Munich: edition text + kritik, 2001.
LENK, Elisabeth . Sinn und Sinnlichkeit. In: ARAGON, Louis. Pariser Landleben. Munich: Rogner & Bernhard, 1969.
LENK, Elisabeth. “Vorwort. In: Charles Fourier. Theorie der vier Bewegungen und der allgemeinen Bestimmungen. Frankfurt und Vienna: Europäische Verlagsanstalt, 1966.

* Artigo originalmente publicado no Blog da Boitempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s