“nenhum indivíduo pode resistir”: minima moralia como crítica às formas de vida

Daniela Costanzo

As formas de vida são tema de investigação filosófica desde Sócrates, como nos lembra Rahel Jaeggi. No entanto, a partir da obra de Rawls elas têm sido interpretadas como algo a não ser debatido. Neste texto, a autora retoma o livro de Adorno, Minima Moralia: reflexões sobre a vida danificada, para defender que as formas de vida devem ser criticadas, uma vez que tal crítica é imanente e as fronteiras entre o público e o privado não são tão bem estabelecidas.

O debate sobre as formas de vida é caro ao feminismo e diversas teóricas já criticaram a visão liberal de que as esferas pública e privada podem ser separadas, sendo que apenas a primeira poderia ser encarada como tema de debate público. O texto de Jaeggi traz mais uma contribuição a essa discussão.  

O artigo publicado pela teórica crítica na Contellations em 2005 recebe agora uma tradução para o português na revista Perspectiva Filosófica.

JAEGGI, Rahel. “Nenhum indivíduo pode resistir”: Minima Moralia como crítica às formas de vida. Traduzido por Luis Filipe de Lima Andrade e Filipe Augusto Barreto Campello de Melo. Perspectiva Filosófica, v. 45, n. 2, p.237-261, 2018.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s